Domingo, 21 de Maio de 2006
[23] Perspectiva

Quando telefonei já tinha decidido suicidar-me.

 

Premi as teclas do telefone, ouvi o sinal de chamada por 3 vezes e alguém saudou: “Boa noite”, com uma entoação a dois tempos, como se dissesse “aqui estou eu, o que deseja?” Hesitei, perguntei quem falava, queria ganhar tempo. E ele respondeu, firme e incisivo, sem se identificar: “Diga.”

Avancei, aquela era a minha deixa, declarei que iria suicidar-me e já sabia quando e onde. Fez-se silêncio. “E qual o seu objectivo ao telefonar para aqui?” Não fiquei surpreendido. Sabia que apanharia qualquer um desprevenido e aquela era uma forma das pessoas recuperarem. “Porque não aguento mais.” O silêncio reapareceu e o nervosismo deu lugar à inquietação.

O que é que posso fazer por si?”, perguntou.

Fiquei apreensivo, e repliquei: “Como!?

Se já decidiu e mesmo assim ligou é porque está à espera que lhe diga algo que o prenda à vida. Mas não sei o que lhe dizer.” Senti-me desamparado: “Vocês não têm uma preparação especial para estas coisas?

Comecei a ficar irritado: raios!, nem sequer me pediu para falar da minha vida, e dizer que os meus pais eram diferentes, mas iguais na frieza e na desumanidade. Não, não me maltratavam fisicamente. Tratavam-me como o ar quente que lhes estragava a comida ou uma janela aberta que lhes trazia os mosquitos. A minha casa era uma arca frigorífica onde sempre procurei surpreender um olhar afectuoso, um sorriso, e nada.

Percebi um suspiro ou bocejo do outro lado da linha. Aquilo era demais! Carreguei nas tintas escuras da minha história: “Não tenho trabalho.”

Está, portanto desempregado?” perguntou ele. Senti-me recompensado e continuei: que sofria de asma, prisão de ventre e vários problemas de pele; que estava a ser acompanhado por um psiquiatra há mais de 15 anos. Ansiolíticos, anti-depressivos, relaxantes e calmantes, de tudo havia tomado. Ele interpôs: “Que idade tem?” E aqui senti-me uma sequência binária, como se me tivessem tomado como um dado estatístico. Mais outro que se quer matar… Percebem o que quero dizer?

Esta banalização tirou-me do sério: “Para quê, de que lhe serve isso!?” Ele tossiu, pareceu-me que levemente embaraçado, e retorquiu: “É casado?” Aqui amaciei porque senti que voltava a interessar-se por mim e disse logo que não, que elas me achavam, sempre me acharam esquisito, nem sequer tive uma namorada.

Ele mudou o curso da conversa e perguntou se eu tinha dificuldades económicas. Disse-lhe que sim, além de estar desempregado e sem perspectivas de obter novo emprego, não tinha família, nem amigos, lamentei. Nada. Também era por isso que me ia matar. Voltou a cair um silêncio entre nós. Aguardei.

E ele: “Olhe, não sei o que lhe dizer. A sua vida é muito difícil, não sei o que faria no seu lugar! Desempregado, sem família, sem amigos, sem objectivos na vida, para que serve viver!? Eu também me inclinaria para uma solução rápida e definitiva!

Fiquei indignado, espumei de raiva, insultei-o. Por fim, sempre calmo, ele concluiu: “Eu acho que você ainda tem dúvidas sobre essa decisão, mas não encontro argumentos que o façam mudar de ideias....

 

Desliguei o telefone, furioso, e a jurar que haveria de queixar-me disto e mandar para os jornais. E assim fiz. Estranhamente, houve quem gostasse e me pedisse que continuasse a escrever. Depois começaram a pagar-me para escrever mais. E hoje em dia esse é o meu trabalho: escrever sobre mim e sobre estas coisas.



publicado por polosul às 16:34
link do post | nortadas

6 comentários:
De solcar a 25 de Maio de 2006 às 10:10
Este é o meu sentimento desde sempre. Por vezes o atendimento aparentemente inadequado produz brilhantes resultados. Não é porém a regra e penso que só resulta quando não há convicção do outro lado para dar o salto. Até...


De apouca a 27 de Maio de 2006 às 14:07
Engraçado, como me fizeste rir e chorar, ao mesmo tempo! Uma gargalhada a saltar e as lágrimas ainda a cair...


De polosul a 28 de Maio de 2006 às 23:39
A isso também se chama rir com as fraquezas... A minha ambição não é comover, é antes ajudar a pensar


De Isabel a 28 de Maio de 2006 às 15:14
Uma sensibilidade realmente além do comum. Continua a escrever, mesmo que exista quem diga que coisas assim não vendem.
Parabéns! Vou esperar pelos próximos...


De polosul a 28 de Maio de 2006 às 23:40
És uma crida! Os próximos vão demorar porque vou de viagem.


De Resnulis a 25 de Março de 2007 às 14:20
Hoje chegou a minha vez...
Durante quase um ano, li vezes sem conta este texto à procura de força e de motivos que fizessem sorrir... não encontrei. Fui também recebido por uma voz que me desprezava e me fazia sentir resignado no meio da minha solidão. Por muito que falasse sentia que não passava de mais um, um entre tantos outros que diariamente marcavam o mesmo numero, na esperança de sentir algum conforto.... mas nada.
Parto com um desejo impossivel... que todos os jovens sintam força e vontade de continuar a lutar pela vida, mesmo que todas as portas se fechem e se sintam assim... num desespero sofocante.

Não deixes nunca de escrever "polosul", mesmo que eu não seja o melhor exemplo.... muitos outros ver novos caminhos e hão-de ganhar força através das duas palavras...


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

(113) ser incompleto

[112] a raça humana

[111] viva México

[110] por vingança?

[109] o que é que eu fiz

[108] o pai

[107] memórias & enganos

[106] lembrei-me do Tejo

[105] Irvin D. Yalom

[104] T. S. Eliot

[103] o garanhão de Santa...

[102] o que farão as mosc...

[101] quem tem pressa não...

[100] a questão Finkler, ...

[99] 1Q84, Murakami

[98] Machu Picchu, Peru, ...

[97] Salkantay Trek, Peru...

[96] Uma vida pela metade...

[95] Laos, dezembro de 20...

[94] Cambodja, novembro d...

arquivos

Maio 2015

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Julho 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds