Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

pólo sul

pólo sul

Seg | 13.03.06

[16] O almoço

polosul

Pai_filho_mar.jpg Hoje fui almoçar com o meu pai. Ele está velho e esquecido. Mais uma vez, ao olhar para ele, não consegui deixar de lembrar-me dos actos mesquinhos, da indiferença e da olímpica arrogância. Detestava-o, particularmente depois dele passar a culpar-me pela morte da minha mãe, como se fosse possível a uma criança, por artes desconhecidas da humana condição, fazer com que uma pessoa morra com um cancro... Hoje olho para ele e sinto alguma piedade. É isso: piedade, como se a velhice lhe conferisse a fragilidade das crianças desamparadas e desorientadas. E com a compaixão comecei a aprender a gostar dele. Não é amor filial, nem carinho, nem ternura. Algo que se encontra nas franjas dos afectos e das preocupações com outrem. Estimo-o. Afinal de contas ele pertence a um passado carregado de significações; sustentou-me, contrafeito é certo, sempre a atirar-me à cara o esforço que fazia, mas sustentou-me. E são estas e outras coisas intraduzíveis, carregadas de psicologismos e de sentimentos de gratidão, retribuição e condescendência que me levam a dizer que gosto dele. Apesar de tudo. Ele desiludiu-me muito no passado. Agora já não tem essa capacidade de me iludir. Mesmo assim gosto dele, sem mágoa, apenas dorido.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.