Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

pólo sul

pólo sul

Ter | 10.08.21

[129] A invenção de Adolfo Bioy Casares

polosul

A invenção de Morel, de Bioy Casares, conta com um prefácio de valor incalculável, quer pelo autor - Jorge Luís Borges - quer pelo seu teor, especialmente do último parágrafo:  "Discuti com o autor os pormenores do enredo, reli-o; não me parece uma imprecisão ou hipérbole classificá-lo de perfeito."

Morel.jpg

Teria aquela frase de Borges algo que ver com o entusiamo de Morel,  quando admite o impensável, como seja a "influência do futuro sobre o passado" (p. 56)?

O que dizer de um personagem, também ele narrador, que diz "Nada esperar da vida, para nada arriscar; dar-me por morto para não morrer"? (p. 36) e mais à frente, admitindo fraquezas da sua memória, afirma, candidamente: "Temi que esta descoberta fosse apenas efeito de alguma fraqueza das minhas recordações, ou da comparação de uma cena real com uma simplificação feita de esquecimento." (p. 57) Lapidar!

Mas o melhor, a propósito dos jogos entre o passado e o futuro, entre a essência e a contigência, entre o vento e água, o melhor, dizia, pode estar aqui, não para todas, mas certamente para algumas pessoas: "Não me matarei para já. Habituei-me a ver as minhas teorias mais lúcidas desfazerem-se no dia seguinte, ficarem como provas de uma assombrosa combinação de inaptidão e entusiasmo (ou desespero). Talvez a minha ideia, uma vez passada a escrito, perca a sua força." (p. 129).

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.